A IDADE DO CIMENTO

Bruno Contarini

A evolução do uso dos produtos de cimento coincide com a história da construção no Brasil ao longo do século XX. Hoje, largamente difundidos no Brasil e utilizados, com diferentes técnicas, na imensa maioria das construções, os produtos de cimento demonstram como o país foi capaz de aprimorar tecnologias de tal maneira que, através de inovações e aprimoramentos conquistados, em muitos casos, acabou por ultrapassar seus países de origem.

 

Juntas, a Engenharia e a Arquitetura brasileiras revelaram uma criatividade que fizeram com que suas conquistas repercutissem sobremaneira no exterior.

 

Como exemplo cito a trajetória do arquiteto Oscar Niemeyer cujo talento não conhece limite de formas e que tem no concreto um aliado que lhe dá liberdade total para por em prática suas geniais idéias.

 

Os traços de Niemeyer, por conta da liberdade plástica e da preferência pelas curvas e pelos imensos espaços livres, desafiam qualquer imaginação exigindo muita criatividade por parte dos engenheiros. Foi assim desde o início, na Pampulha, em Brasília e nas várias obras que construiu no exterior, principalmente depois do golpe militar de 1964.

 

Os estrangeiros se admiravam diante da ousadia dos projetos de Oscar Niemeyer. Enquanto que aqui no Brasil lhe diziam: Lugar de arquiteto comunista é em Moscou, ele recebia convites de outras regiões do mundo. Os pedidos vieram, por exemplo, de De Gaulle e de André Malraux, que até criou para ele uma lei especial permitindo que trabalhasse na França como arquiteto, do empresário italiano Giorgio Mondadori e do presidente Boumedienne da Argélia que o convocou para construir a Universidade de Constantine.

 

          

 

            Aliás, cito este projeto como exemplo de ousadia e do talento que juntas, a  Engenharia e a Arquitetura brasileiras eram capazes de fazer. As obras, ao serem iniciadas em 1969, encontraram resistência por parte dos engenheiros franceses encarregados da execução, que argumentavam que o projeto, da maneira que havia sido concebido, era inexeqüível. Diziam, tentando provar por A mais B, que a viga principal deveria ter espessura de pelo menos 1,50m.

 

Em maio daquele ano, fui chamado a Argel por Oscar Niemeyer para lhe dar apoio técnico. Ao chegar, os franceses me apresentaram os cálculos que haviam realizado afirmando que não poderiam tocar a obra segundo as especificações originais. Depois de analisar os argumentos técnicos, ao invés de dar razão aos franceses, afirmei que a viga em questão poderia ser feita com 0,25 m de espessura em concreto protendido, como afinal foi feita. Outro exemplo que demonstra a competência dos profissionais brasileiros é a Ponte Rio-Niterói, importante marco de referência do Brasil, em que estiveram envolvidos milhares de trabalhadores e centenas de técnicos altamente qualificados.

  

Os números desta obra são impressionantes: 13.290 metros de extensão, sendo 8.836 metros sobre o mar, 26,60 metros de largura, com seis faixas de rolamento e dois acostamentos, de 1,80 metros e altura máxima de 72 metros, acima do mar. O vão central sobre o canal de navegação bateu o recorde em viga reta metálica do mundo; seu peso, mais de 970 mil toneladas, corresponderia a 800 edifícios de 10 andares. Foram utilizados mais de quatro milhões e seiscentos mil sacos de cimento que, se deitados, fariam 1.500 pilhas da altura do Pão de Açúcar. Por tudo isso a engenharia brasileira conquistou o respeito e a admiração do mundo. E a evolução não pára. Surgem a cada dia novos produtos e novas e aprimoradas técnicas que melhoram a performance dos materiais.

 

Acredito que vivemos hoje (e vamos viver ainda durante muito tempo) a Idade do Cimento já que as obras realizadas com seus produtos são perenes, econômicas, resistentes, e sua manutenção é de baixo-custo. Este livro, ao mostrar a evolução e a importância dos produtos de cimento na construção do Brasil demonstra como o país evoluiu nos últimos cem anos e como são grandes os desafios e as suas possibilidades futuras

O Livro

Produção e edição limitada de "Produtos de Cimento na Construção do Brasil”, livro de arte com encadernação luxuosa e conceito editorial  arrojado.

 

O livro tem por finalidade permitir que o leitor, tenha uma visão global do cimento desde sua criação até o cenário contemporâneo, sua importância e integração com o meio ambiente, cultura e política.

Farta documentação fotográfica, além da utilização de diversos acervos históricos, públicos e particulares. Com textos de Antonio Soukef e fotos de Vito D’Alessio e Renato Dutra.

 

Características Técnicas Edição Bilingue: Português / Inglês,  Tamanho: 26 x 27 cm, Impressão: Off set, 4x4 cores, Papel Couchet 180 g., Capa dura.

A Exposição

Ficha Técnica

Direção Geral 
Vito D’Alessio

Apresentação e Supervisão
José Carlos de oliveira lima 


Apresentação 
BRUNO CONTARINI


Pesquisa e Textos 
ANTONIO SOUKEF JR.


Edição e Arte
Leopoldo Silva jr.


Ilustrações
JOSÉ ARMANDO FERRARA


Projeto Cenográfico
LUIZ SCARABEL JR.


Revisão
DANIELA GONÇALVES DE MORAIS


Direção de Produção
RENATO DUTRA 


Assistente de Produção
PATRICIA DOS SANTOS
ANTONIA PEREIRA DE ARAÚJO

 
Direção Administrativa
ABDEL GOFFAR Majzoub Neto


Assistente Administrativa
Carlene LIMA BATISTA


Consultoria Editorial
 Carlos ROBERTO PETRINI


Jurídico
JORGE march


Leis de Incentivo
RENATO DUTRA 


Assessoria Contábil
MARCO ANTONIO FAUSTINO


Pré-Impressão e Impressão 
pancrom

Dialeto PoloDoc
55 11 4591 3604
55 11 99455 3141 (Whatsapp)
Rua Prefeito José Carlos 452, Itupeva, São Paulo CEP 13295-000  
CNPJ: 24.009.909/0001-79
Estimativa de entrega 2 a 5 dias.

© 2017 by Dialeto

Cartão crédito

Débito Online

Outras formas